Quiere comprar pastillas de potencia Venda De Viagra Brasil La entrega de tabletas se produce en la normal imperceptible el sobre y se respeta la confidencialidad de la.

Casa das Artes exibe “Menino 23 - Infâncias Perdidas no Brasil”

Cinema

Casa das Artes exibe “Menino 23 - Infâncias Perdidas no Brasil”

A obra será exibida no dia 13 de agosto, às 19h
Casa das Artes exibe “Menino 23 - Infâncias Perdidas no Brasil”

Foto: Reprodução

 

O Cine Alexandrino Moreira, da Casa das Artes, exibe o documentário “Menino 23- Infâncias Perdidas no Brasil”. A obra será exibida no dia 13 de agosto, às 19h, e é dirigida pelo diretor, roteirista e produtor Belisário Franca. A entrada é franca.

 

A partir da descoberta de tijolos marcados com suásticas nazistas em uma fazenda no interior de São Paulo, a produção acompanha a investigação do historiador Sidney Aguilar e a descoberta de um fato assustador: durante os anos 1930, 50 meninos negros e mulatos foram levados de um orfanato no Rio de Janeiro para a fazenda onde os tijolos foram encontrados.

 

No filme, Aloísio e Argemiro são depoentes que comprovaram situações, lembranças e informações. Aloísio era o “23”, título do filme, pois os garotos eram chamados por números. Argemiro fugiu, foi morador de rua em São Paulo, engraxate e acabou se alistando na Marinha, onde aprendeu música. Além destes dois personagens, Belisário consegue depoimentos da família de José Alves de Almeida, já falecido e conhecido como “Dois”. Treinado para ser caseiro da fazenda, homem de confiança e privilegiado na hierarquia doméstica. “Dois” conhecia como poucos a intimidade da família.

 

Aloisio ainda carregou marcas emocionais de sua infância roubada, pois guardou raiva e tristeza. Argemiro, apesar de também ter sofrido, afastou essas memórias e construiu sua vida a partir de toda supressão de acontecimentos.

 

Serviço

 

Cine Alexandrino Moreira exibe “Menino 23 - Infâncias Perdidas no Brasil”

 

Data: 13/08

 

Hora: 19h

 

Local: Casa das Artes- Praça Justo Chermont, 236 - Nazaré

 

Entrada franca